Depoimento

Carlos Moura

“Estudar nos Estados Unidos foi a melhor decisão que tomei em minha vida. Passei por um breve período de indecisão, que julgo ser normal diante de uma mudança tão drástica na vida de um jovem de apenas 17 anos. Hoje, olhando para trás, vejo o quão acertada foi essa decisão, pois ela não só me fez amadurecer como atleta, mas também como pessoa. O apoio e o suporte da MC Graduation foram fundamentais para selar minha vinda, já que minhas opções estavam entre Florida, Califórnia e Carolina do Sul. Esses lugares estão entre os mais concorridos, muito em função do clima. Logo eles me apresentaram propostas concretas e acabei fechando com a University of West Florida, em Pensacola, Florida.

Estou atualmente envolvido em diversas atividades na faculdade. Além de fazer parte do time de tênis, faço parte do clube de investimentos, no qual analisamos o setor financeiro de empresas e decidimos se vale a pena ou não investir nelas; da TedxUWF, organização de estudantes que trará o Ted Talks (conferência internacionalmente reconhecida) para a faculdade pela primeira vez; e da Pi Kappa Alpha Fraternity, fraternidade com mais de 250.000 membros ao redor do mundo.

Além disso, tenho tido um desempenho acadêmico muito bom. Meu Grade Point Average (GPA) é 3.88, em uma escala de 0 a 4. Em consequência disso, fui nomeado três vezes para a Dean’s list e uma para a President’s list – ambas premiações por desempenho acadêmico excepcional.

Durante esse semestre entrei para uma fraternidade, algo que me ajudará muito a conseguir um bom emprego no futuro. O networking que se ganha por fazer parte de uma fraternidade é tremendo; conheci centenas de pessoas através dos eventos da fraternidade, realizando desde serviços comunitários a festas e cerimônias formais. Fazer parte de uma fraternidade também me conecta mais com a cultura americana, já que como estudantes internacionais, tendemos a ficar próximos e não nos misturarmos tanto com grupos só de americanos. Essa diversidade e riqueza cultural que se adquire me parece, portanto, bem importante.
À parte de todas essas conquistas que tive, ainda há mais um fator que gostaria de citar, o amadurecimento. Estou aqui há dois anos e meio e não há uma pessoa sequer que eu conheça que não tenha amadurecido muito ao longo desse tempo. Conhecer outras culturas, pessoas de todas as partes do mundo, e ter que se relacionar com elas apesar de suas diferenças sem dúvida contribue para esse processo de amadurecimento.

Nós fomos campeões nacionais da NCAA na divisão II em Maio desse ano, em Orlando, Florida. Sobre esse titulo, não há muito o que falar. Palavras não são o bastante para descrever o sentimento de felicidade e êxtase que esteve conosco no momento da conquista e que ainda vive nas lembranças de cada um de nós. Trabalhamos muito pelo título e fomos não um time, mas uma FAMíLIA.

Aos que que estão indecisos quanto a vinda aos EUA, tenham em mente que será uma mudança drástica no começo, uma saída de sua zona de conforto. Porém, tenham em mente também que é saindo da inércia que atingimos todo o nosso potencial. Os benefícios a médio e longo prazo serão imensos e, assim como 99% das pessoas que decidem ter essa experiência, você sairá dela como um atleta melhor e, principalmente, como um ser humano melhor.

 

Carlos Moura, atleta de tênis, University of West Florida

Rolar para cima